Viagem ao sol still 1

Viagem ao Sol

Viagem ao sol still 2
Viagem ao sol still 3
Viagem ao sol still 4
de Susana de Sousa Dias e Ansgar Schaefer
Documentário, 2021, 107‘

Viagem ao Sol é uma reflexão sobre crianças em situação de conflito e pós-conflito, e a potência do seu olhar em revelar realidades ofuscadas pelas narrativas oficiais.

O filme parte de testemunhos de antigas crianças austríacas, enviadas no pós-guerra para Portugal, país poupado à Segunda Guerra Mundial. Usando só imagens de arquivo, Viagem ao Sol estabelece múltiplas ressonâncias com a Europa actual, onde o espaço para o Outro se tem vindo a reduzir drasticamente.

Realização e Argumento: Ansgar Schaefer e Susana de Sousa Dias
Direcção de Fotografia: Mário Espada, Nikolaus de Macedo Schäfer
Assistente(s) de Realização: Nikolaus de Macedo Schäfer
Direcção de Som: Dídio Pestana
Mistura de Som: André Neto
Montagem: Susana de Sousa Dias, Mário Espada, Nikolaus de Macedo Schäfer, Ansgar Schaefer
Correcção de Cor: Irmã Lúcia
Sonoplastia: Dídio Pestana
Produção: Ansgar Schaefer
Produção executiva: Elsa Sertório, Rui Ribeiro

Retrato da realizadora Susana Sousa Dias.

Susana de Sousa Dias nasceu em Lisboa, em 1962. Tem um Doutoramento em Belas-Artes (Audiovisuais), um mestrado em Estética e Filosofia de Arte, uma licenciatura em Pintura e um bacharelato em Cinema. Estudou música no Conservatório Nacional. Entre os seus trabalhos, contam-se “Natureza Morta – Visages d’une dictature”; (2005,Prémio Atalanta, Prémio de Mérito, TaiwanIDF), “48” (2009, Grand Prix Cinéma du Réel, prémio FIPRESCI, entre outros), Natureza Morta | Stilleben (instalação, 2010) e “Luz Obscura” (2017). Fordlandia Malaise (2019) é o seu filme mais recente.Os seus trabalhos foram exibidos em festivais de cinema e exposições de arte internacionais (Berlinale, Viennale, Visions du Réel, Sarajevo IFF, Torino FF, PhotoEspaña, Documenta, etc.). Em 2012 recebeu um tributo do Cinéma du Réel e foi artista convidada do Robert Flaherty Film Seminar, Nova Iorque. Nesse mesmo ano formou um colectivo que dirigiu o Doclisboa, Festival Internacional de Cinema por duas edições consecutivas (2012-2013). É professora na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa.

Ansgar Schaefer é co-fundador da Kintop, sócio-gerente (desde 2012), produtor. É doutorado em História Contemporânea de Portugal com uma tese na área da História Visual (foco: Guerras coloniais portuguesas). Produziu mais de uma dúzia de documentários de longa-metragem, entre outros Fordlandia Malaise (Berlinale 2019), Sobre tudo sobre nada (Locarno Film Festival 2018), Luz Obscura (premiere Cinéma du Réel, Paris 2017), 48 (Grand Prix Cinéma du Réel Paris, OPUS BONUM, Jilhava 2010, Prémio FIPRESCI Leipzig, 2010, bem como várias instalações multimédia. Co-realizou e produziu os documentários Viagem ao Sol (2021) e A Outra Guerra (2010). Tem várias publicações nacionais e internacionais sobre a emigração judaica para Portugal durante a Segunda Guerra Mundial. Recentemente, co-organizou a exposição “Trabalhadores Forçados Portugueses na Alemanha Nazi” (Centro Cultural de Belém).

Sinopse

Viagem ao Sol é uma reflexão sobre crianças em situação de conflito e pós-conflito, e a potência do seu olhar em revelar realidades ofuscadas pelas narrativas oficiais.

O filme parte de testemunhos de antigas crianças austríacas, enviadas no pós-guerra para Portugal, país poupado à Segunda Guerra Mundial. Usando só imagens de arquivo, Viagem ao Sol estabelece múltiplas ressonâncias com a Europa actual, onde o espaço para o Outro se tem vindo a reduzir drasticamente.

Ficha Técnica

Realização e Argumento: Ansgar Schaefer e Susana de Sousa Dias
Direcção de Fotografia: Mário Espada, Nikolaus de Macedo Schäfer
Assistente(s) de Realização: Nikolaus de Macedo Schäfer
Direcção de Som: Dídio Pestana
Mistura de Som: André Neto
Montagem: Susana de Sousa Dias, Mário Espada, Nikolaus de Macedo Schäfer, Ansgar Schaefer
Correcção de Cor: Irmã Lúcia
Sonoplastia: Dídio Pestana
Produção: Ansgar Schaefer
Produção executiva: Elsa Sertório, Rui Ribeiro

Susana de Sousa Dias
Retrato da realizadora Susana Sousa Dias.

Susana de Sousa Dias nasceu em Lisboa, em 1962. Tem um Doutoramento em Belas-Artes (Audiovisuais), um mestrado em Estética e Filosofia de Arte, uma licenciatura em Pintura e um bacharelato em Cinema. Estudou música no Conservatório Nacional. Entre os seus trabalhos, contam-se “Natureza Morta – Visages d’une dictature”; (2005,Prémio Atalanta, Prémio de Mérito, TaiwanIDF), “48” (2009, Grand Prix Cinéma du Réel, prémio FIPRESCI, entre outros), Natureza Morta | Stilleben (instalação, 2010) e “Luz Obscura” (2017). Fordlandia Malaise (2019) é o seu filme mais recente.Os seus trabalhos foram exibidos em festivais de cinema e exposições de arte internacionais (Berlinale, Viennale, Visions du Réel, Sarajevo IFF, Torino FF, PhotoEspaña, Documenta, etc.). Em 2012 recebeu um tributo do Cinéma du Réel e foi artista convidada do Robert Flaherty Film Seminar, Nova Iorque. Nesse mesmo ano formou um colectivo que dirigiu o Doclisboa, Festival Internacional de Cinema por duas edições consecutivas (2012-2013). É professora na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa.

Ansgar Schaefer

Ansgar Schaefer é co-fundador da Kintop, sócio-gerente (desde 2012), produtor. É doutorado em História Contemporânea de Portugal com uma tese na área da História Visual (foco: Guerras coloniais portuguesas). Produziu mais de uma dúzia de documentários de longa-metragem, entre outros Fordlandia Malaise (Berlinale 2019), Sobre tudo sobre nada (Locarno Film Festival 2018), Luz Obscura (premiere Cinéma du Réel, Paris 2017), 48 (Grand Prix Cinéma du Réel Paris, OPUS BONUM, Jilhava 2010, Prémio FIPRESCI Leipzig, 2010, bem como várias instalações multimédia. Co-realizou e produziu os documentários Viagem ao Sol (2021) e A Outra Guerra (2010). Tem várias publicações nacionais e internacionais sobre a emigração judaica para Portugal durante a Segunda Guerra Mundial. Recentemente, co-organizou a exposição “Trabalhadores Forçados Portugueses na Alemanha Nazi” (Centro Cultural de Belém).